A opinião do Alambrado sobre a contratação de Odair Hellmann.

2

 

Neste momento para o Inter: Odair > Abel: devemos muito ao Abelão, eternamente. Mas não creio que a passagem do nosso Treinador Campeão fosse revolucionária aqui e agora. Fica mais com cara de acomodação, de ambas as partes, e custaria caro. Odair > Roger: sou da turma que admira o trabalho do Roger – apesar de alguns fracassos foi ele quem deu cara a esse atual time do Grêmio. Porém, ter um ídolo gremista na casamata, seria péssimo. Imaginem o dia que ele perder um grenal. A torcida nunca teria confiança. Odair < Marcelo Gallardo: Gallardo é um vencedor. Conhece o futebol sul-americano como ninguém. Como técnico, já venceu o Campeonato Uruguaio em 2011. Em 2014, venceu a Sulamericana – já no River. Em 2015, a Recopa. Em agosto do mesmo ano, conquistou a Libertadores. Gallardo tem experiência, é um vencedor e amigo próximo do D‘Alessandro. Um nome com a grandeza do Colorado.

Fabiano Bonetti

 

Gostei da indicação do Odair Hellmann. Um profissional novo, estudioso, querido pelo grupo e que está pedindo passagem. Tem currículo na base, no Inter e na Seleção. Conhece o clube e vai vir com sangue no olho, pois é a chance da vida dele. Vamos gastar menos com técnico e investir em jogadores. O Inter precisa se qualificar, principalmente na zaga. Uma boa aposta, num momento que isso pode ser feito. Boa sorte, Odair! Boa sorte, Inter!

João Pedro Vargas

 

Confesso que Odair Hellmann não me “ inspira muita inspiracão”. Acho que o desejo da direcão é usar o Ruralito como teste, ver se o grupo realmente apoia o novo treinador e, depois, ver se encara o BR18 com ele ou chama um treinador mais consagrado ou mais experiente, ja com uma base montada. Se der certo, golaço. Se não der certo, entramos naquela ciranda de trocas. Torço pelo golaço.

Raul Krebs

 

Gostei da indicação do Odair. Primeiro, porque parece conhecer de futebol e ter algumas convicções a respeito de modo de jogar. Segundo, porque conhece cada azulejo do Beira Rio. Terceiro, porque tem muito bom trânsito com os jogadores, principalmente D‘Alessandro e isso é algo que deve sim ser levado em conta. E, por último, porque pagar R$ 700 mil pra um técnico que já não tem mais saco pra aprender, nem pra treinar, seria o fim. Que usem esta grana pra suprir as várias carências do elenco.

Ricardo Soletti

 

Gostei da ideia. Além dos atributos técnicos e da possibilidade dele realmente funcionar como treinador, acho que a estratégia revela um pouco da situação financeira que nos aguarda em 2018. Sem grana, e tendo de resolver a situação dos jogadores que serão devolvidos, acho que a direção pretende um primeiro semestre “conservador”. Ao invés de sair pagando os tubos para “cascudos” que, no final das contas, também são uma aposta, a ideia de considerar a prata da casa como opção é boa. Outros grandes clubes fizeram isso com sucesso. Só não acredito que o Odair vai dar a cara de um novo Inter. Primeiro será preciso limpar a área, para só depois contratar visando o Brasileiro 2018. E esse é o grande problema. Mas com o caixa que sobrou, é o que se pode fazer.

Thedy Corrêa

About author

Bonetti

Publicitário, estava no Beira Rio no gol iluminado em 75, contra o Vasco no Invicto de 79, no pênalti do Célio Silva em 92, na final contra o São Paulo em 2006 e contra o Chivas em 2010. Tinha que estar aqui também.

2 comments

  1. Eduardo G.R. 29 novembro, 2017 at 16:46 Responder

    A grande vantagem do Odair em relação aos outros é que ele conhece muito os jogadores que ficaram e a “tropa” que vai voltar em janeiro. Acho que pode contribuir muito na avaliação dos jogadores junto com o resto da comissão técnica para fazer uma seleção no grupo todo e avaliar os que dever ir embora e aqueles que merecem uma segunda chance.
    Vamos torcer que dê certo!!
    Saudações Coloradas

  2. analista 1 dezembro, 2017 at 13:34 Responder

    Acho um péssima idéia. Primeiro porque demonstra total falta de convicção da diretoria. Se não prestava para a série B, atrás de Zago e Guto, agora vai servir para a série A? Depois, não me passa confiança alguma, não vejo currículo como treinador mínimo que seja a lhe assegurar. Depois, o Inter vai entrar 2018 pressionado e um neófito destes, ainda com uma diretoria fraquinha dessas, não vai segurar o rojão de jeito maneira. ERRO CRASSO portanto.

Deixe uma resposta