Inter 1 x 2 Caxias

0

Não merecia ter perdido. Jogou mais e dominou a maior parte da partida. Mas a defesa cagada mais uma vez puxou o nosso tapete. Mas vamos ter calma: é a terceira partida da temporada e apenas a segunda do time titular. Dá pra ver melhoras sensíveis neste time comparado à merda de 2017. Tenhamos fé. E Pottker que tudo vai dar certo.

DANILO TALIBÃ. Intervenções seguras, sem frescura nem marrequice. Obviamente, não teve culpa nos gols que tomou. Em três partidas do Gauchão, tomou dois gols. Se formos comparar com um dos lanternas da competição, o Transição Portoalegrense que já tomou 9, até que tá. NOTA 5

CLAUDIO WINCK. Mais ou menos no apoio. Bem atrapalhadinho na marcação. Certo que no fim do jogo, o Luiz Carlos Winck chegou e falou no ouvidinho dele: “Aprende com o titio.”, seguido do bom tapinha na nuca pra ficar esperto. NOTA 4 

KLAUS. É o mangolão que deveria ter evitado aquele segundo gol do Caxias. NOTA 4

VICTOR CUESTA. É o mangolão que deveria ter cabeceado a bola no primeiro gol do Caxias. Desdo o ano passado que eu falo: é apenas um rostinho bonito. É enfeitado e joga apenas 10% do que ele acha que joga. NOTA 4

IAGO, O SERELEPE. Pois saiu aquela pombinha com os olhinhos lacrimejantes, só se alimentando de bagana e chiclete mascado lá na praça do Junior e entra o serelepe, faceiro e fagueiro Iago. É guri, comete excessos, mas tem Biotônico Fontoura correndo naquelas veias. Tem energia, tem vigor pra apoiar e marcar. Precisa ainda melhorar os cruzamentos. Mas quase dá pra dizer que a lateral esquerda colorada respira. Sem aparelhos. Tá indo bem. Mas que nunca mais me tome uma meia lua de peito, ok? NOTA 6

RODRIGO DOURADO. Hoje esteve seguro ali na meiuca, marcando e tentando sair pro jogo. Mas também nada demais. NOTA 5

GABRIEL DIAS MELHORES VIRÃO. Hoje, esteve mais discreto que a estreia do BBB 18. Deu umas carimbadas ali no meio de campo, marcou e mostrou virgor físico. Mas também deu azar quando a bola bateu na perna dele e acabou entrando no gol do Caxias. Contudo, parece ter sido uma boa contratação da nossa gloriosa direção. NOTA 5

EDENILSON. O futebolzinho burocrático de sempre. Com a diferença de que hoje, foi pela esquerda. E só. NOTA 4

D‘ALESSANDRO. Um belo primeiro tempo, um baita passe pro gol de empate. Um segundo tempo mais modesto mas, mesmo assim, o maestro do time armando e dando merengue pros jaguaras errarem. NOTA 6

SR. WILLIAM POTTKER. Aí que, ano passado, a torcida foi ao Procom alegando que tinha comprado o Pottker da Ponte Preta, mas tinha vindo o Donatello – aquela tartaruga ninja que corre com uma mochila nas costas. Aí, o Dadá Hellmann assumiu a bronca e tirou o coitado ali de cima da linha lateral. O que aconteceu? O homem começou a fazer gol e ser o principal cara do ataque colorado. A primeira chance de gol foi passe dele, a segunda também, a terceira idem. Na quarta chance, foi a vez dele chutar e estufar aquela rede bonitinha véu-de-noiva do Caxias. No segundo tempo ainda perdeu outra chance. Mas já dá pra dizer que temos outro jogador no time. Bem-vindo, Pottker! NOTA 7

LEANDRO DAMIÃO. Centroavante bom é aquele que faz gol. Mas o bom mesmo é aquele que faz gol e dá assistência. E que assistência que ele deu pro gol do Pottker. Hoje faltou o gol. E se não tivesse cortado as unhas dos pés ontem na concentração, teria metido aquele gol de carrinho no primeiro tempo. NOTA 6

PATRICK. Viajou, concentrou, fardou e entrou. Ponto. NOTA 4

NICO LÓPEZ. Entrou e deu um chute perigoso. NOTA 5

ROGER. Entrou a tempo de dar um passe cagado. NOTA 4

DADÁ HELLMANN. Em três partidas, já deu pra ver que seus times são avessos a festas infantis: não dão balão. Tá indo bem. E não é a derrota de hoje que vai derrubar o que ele fez. Tem como grande mérito até agora ter ressuscitado o Pottker. Acho que o Nico deveria ter entrado no lugar do D‘Alessandro e não do Pottker. Mas se acadelou. Precisa e muito acertar aquela bosta de defesa que continua vazando por cima e por baixo. Winck não rola. E o Cuesta precisa de uma “conversa da verdade” pra explicar que ele não joga porra nenhuma pra ficar com aquela marra. NOTA 5

About author

Soletti

Publicitário, gostaria de ter sido congelado na década de 90. Em 42 anos de vida, viveu dois momentos mágicos: o dia 17 de dezembro de 2006 e o choro convulsivo da filha de 5 anos quando foi ameaçada pelo Papai Noel de ganhar uma camiseta do Grêmio no Natal.

No comments

Deixe uma resposta