O RISCO GRINGO

3

O assunto parece requentado hoje, pois muito se falou sobre o episódio envolvendo D’alessandro e a torcida colorada após a derrota contra o Ceará.  Concordo em quase tudo com o texto de meu colega de Alambrado, o Solleti, quando disse que ninguém é maior que o Inter. Quanto a isso não existe dúvida. O que me aparece oportuno abordar ainda, diz respeito aos riscos que cercam o gringo.

A história que corre nos bastidores e que alguns perfis em redes sociais tratam de confirmar, é que D’alessandro está no centro de um disputa política nesse momento dentro do clube. E isso é muito mais que um risco: é uma barbaridade! Um absurdo!

O Inter chegou aos seus momentos de maior glória impulsionado por uma inédita união política. Foi lindo, mas não durou. Grupos políticos acabaram por entrar em rota de colisão. Muitos dizem que motivados pela sede de poder, outros dizem que foi pela sede de dinheiro. A gestão passada – que tinha em suas fileiras muitos dos que se insurgiram contra a saudosa união política – está sob suspeita grave de fraudes. Dela, ainda restam figuras com influência política em grupos que atuam hoje no clube. Isso me surpreende. Mas para não aprofundar muito, sejamos superficiais na política.

O que é estarrecedor é que existam pessoas ligadas à política do clube que estejam usando o ídolo colorado como cabo-de-guerra de interesses obscuros. Leio nas entrelinhas da entrevista pós-jogo de D’alessandro, ciente dessa situação, que muito de sua revolta pode ter origem na bisonha situação política que se criou.

Por isso tudo, digo que o episódio não deve ser supervalorizado. Não deve servir de combustível para crises. Não deve servir para alimentar ainda mais essa bizarra situação, onde um ídolo sente-se pressionado por sujeitos que pouco se preocupam com o futuro do clube, mas apenas com suas chances de obter poder dentro dele.

D’alessandro errou? Ok, mas quem não erra? E quantos tem o crédito que ele tem? Então, nem vou entrar nesse julgamento de erro e acerto, mas nos efeitos nefastos de uma situação que pode ter chegado a esse ponto por fatores que ultrapassam o jogo contra o Ceará. D’alessandro foi chamado de mercenário. Foi xingado e xingou. Ele sabe que nas arquibancadas, muitos representam vozes políticas e interesses nem sempre nobres. Errou ao dar luz para alguns que merecem ficar nas trevas. Mas eu considero o erro dele muito menor que o risco que se apresenta, de as forças políticas atuarem da mesma forma obtusa que nos levou ao rebaixamento. Forças políticas que afastaram o gringo do clube. Sou daqueles que acredita que se ele estivesse no time de 2016, não teríamos caído. Não apenas por sua liderança, mas também por seu talento.

Então, com a sombra nefasta de uma política absurda rondando o clube, temo que a gente suba hoje para cair novamente amanhã. O que estaria rolando com D’alessandro é muito mais que um sinal de alerta. É a luz vermelha da emergência piscando na frente de nosso nariz. De minha parte, a última coisa que farei, é crucificar um cara como ele. Daria, no máximo, um puxão de orelha.

Mas lembro daqueles que lamentavam a falta de “sangue nos olhos” no grupo que rebaixou o clube. Ter D’alessandro de volta foi um alento. A volta da atitude, da garra, do poder indignação. D’alessandro é assim, com tudo que cerca tanta atitude, para o bem e para o mal.

 

 

About author

Thedy Corrêa

Músico, vocalista do Nenhum de Nós, tem como grande momento a recepção aos heróis colorados, em que estava no palco, em pleno Beira-Rio, e os campeões do mundo pisaram no gramado; vai criticar, elogiar, comentar, vibrar e TORCER MUITO SEMPRE.

3 comments

  1. marcelo corsetti 1 novembro, 2017 at 14:47 Responder

    1 – se tivesse aqui nao teriamos caido e se tivesse em campo ontem o river tava na final
    2 – merece uma estátua ao lado da do F9
    3 – discordo quando diz que errou, chegou junto da galera do amendoim qeu nem de longe representa a verdadeira torcida do inter……
    4- muito curioso pra ouvir a entrevista no fim do ano,,,, eu se fosse o Piffero me mudava pra Síria, vai ser mais tranquilo

Deixe uma resposta