Outros Carnavais

1

Então é Carnaval.

Creio que o nosso antigo carnaval terminou naquele jogo melancólico – não por acaso no Rio de Janeiro – contra um Fluminense caindo aos pedaços, como se fosse a última escola de samba a desfilar já sem graça nenhuma, com seus foliões mais interessados no isopor com ceva gelada do que em acertar os passos e ritmos combinados, entortando o samba legal.

Mais sem graça e torto ainda era aquele nosso Inter, que nem sambar sabia.

Carnavais inesquecíveis eram aqueles em que o nosso Rei Momo Fernandão comandava os enlouquecidos foliões colorados por ruas de fogo, carnavalizando com a massa de microfone em punho cantando o nosso maior samba enredo: Eeeeeee, Vamo Vamo Inteeee-eeeer!

Depois do vendaval que assolou nosso barracão, nos deixando sem comissão de frente, sem mestre sala nem porta bandeira, sem carros alegóricos, com nosso Mestre de Bateria em Buenos Aires substituido por uma baiana gorda e falcatrua (sim, é tu mesmo Anderson Bunda de Baiana!).

O Rei Momo Derrótius não queria saber de nada: engordava, gritava, mandava e desmandava. Dizem que gastou uma baba pra reformar os carros alegóricos com empresas mais esquisitas que carnaval de alemão. Carros que nunca foram pra avenida e nós fomos pro Grupo B.

Mas voltamos, arrumando o barracão aos poucos, trocando as telhas de zinco e pintando as paredes. Voltamos a ensaiar pro grande desfile, que começa em abril. Agora temos o que alguns nunca terão: um Mestre de Bateria Hermano, que sabe como desentortar o samba e como fazer pra escola ficar ensaiadinha. Temos também a bateria começando a tocar pra valer, ritmistas concentrados. E um Rei Momo grisalho e de óculos, que prefere que sua escola de samba tenha a bola, ops, o ritmo no pé porque sabe que balão não é no carnaval, mas em festa junina.

Ziriguidum! Telecoteco!
Simbora meu povo!

#VamoVamoInter

About author

Raul Krebs

Fotógrafo e colorado desde sempre. Traz pro Alambrado dois instrumentos essenciais: corneta e flauta.

1 comment

  1. Dorian R. Bueno 12 Fevereiro, 2018 at 09:10 Responder

    Olá Raul Krebs!!!

    Preciso Tchê informar uma coisa do meu passado.
    Há muito tempo recebi de DEUS um dom de compor músicas mesmo não tocando nenhum instrumento.
    Anexo lhe envio uma linda obra prima e caso você tiver um tempinho escuta.
    Compus caminhando na rua e depois chamei um amigo para ajudar a harmonizar.
    Foi o último samba que compus em 2010 juntamente com o amigo Biscoito do Cavaco e Viola, em homenagem ao amigo e mestre Chiquinho quando estava lá na VILA DO IAPI.
    Abaixo segue a letra.

    NOME DA OBRA:
    BATERIA NOTA MÁXIMA- ANO 2010
    ( FOI O ÚLTIMO SAMBA QUE COMPUS )
    AUTORES LETRA E MÚSICA:
    DORIAN BUENO – BISCOITO DO CAVACO E VIOLA

    NA VILA DO IAPI
    A BATERIA É NOTA
    MÁXIMA, MÁXIMA, MÁXIMA
    QUEM VIVER VERÁ
    INSTRUMENTOS REQUINTADOS
    NO BALANÇO SWINGADO
    SEM DESAFINAR
    O MEU SURDO DESPERTOU,
    DE PRIMEIRA
    FEZ PULSAR O CORAÇÃO,
    O DE SEGUNDA E DE TERCEIRA,
    FAZ VIBRAR O MEU POVÃO
    VEM A ALA DAS MENINAS
    SACUDINDO SEUS GANZÁS
    REPINIQUES, CUÍCAS,
    TAMBORINS E PANDEIROS,
    COLOCANDO TEMPERO
    PARA O MOLHO DO MEU SAMBA ENREDO
    CAIXAS DE GUERRA
    NA MAIOR DA PAZ
    QUEBRAM O SAMBA
    COM HARMONIA
    NA BATUTA DO CHIQUINHO
    TODOS TOCAM E CANTAM
    É SÓ ALEGRIA…
    NA VILA

    Abs. Dorian Bueno, POA, 10.02.2018

    P.S. Se quiseres escutar o samba, favor informar um e-mail que lhe enviarei.

Deixe uma resposta